A pior escolha hoje é não vacinar seu filho, diz Renato Kfouri

 

O Ministério da Saúde prepara uma nota técnica que orienta as secretarias de Saúde dos estados a iniciarem a vacinação com a Coronavac, contra a Covid-19, em crianças de 3 a 5 anos. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso do imunizante nesta faixa etária na quarta-feira (13).

Em entrevista à CNN, o pediatra Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), afirmou que a ampliação poderá reduzir a carga da doença para a faixa etária.

“Este grupo etário de menores de cinco anos de idade corresponde a uma carga de doença muito grande. No país, já se estima cerca de 400 mortes em crianças menores de cinco anos somente este ano. Se não avançarmos na imunização dessa população, que ainda não teve oportunidade de receber sequer uma dose, diferente dos maiores de cinco anos, […] nós vamos continuar desviando as taxas de transmissão e o número de casos para essa população não vacinada”, disse.

Riscos para a saúde

O especialista alerta que crianças com Covid-19 podem desenvolver a síndrome inflamatória multissistêmica, uma doença rara, mas grave. O quadro está associado a uma inflamação que afeta diferentes órgãos do corpo e requer cuidados especializados e até mesmo intensivos.

“Evitar que seu filho adoeça, vá internado, que tenha problemas de longo prazo de cognição, de concentração, de insônia, de aprendizado e de fadiga crônica, esses sintomas da Covid longa que temos visto também na pediatria. Negligenciar a doença na pediatria, a pior escolha hoje é não vacinar seu filho”, alertou Kfouri.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.