Previsão meteorológica hipotética para 2050 se tornará realidade; entenda

 

Dois anos atrás, meteorologistas no Reino Unido realizaram um experimento mental interessante: como serão nossas previsões climáticas em 2050?

A crise atual está levando o clima ao extremo em todo o mundo, e as temperaturas nas latitudes do norte têm sido particularmente sensíveis a essas mudanças. Então, os meteorologistas do “Met Office” do Reino Unido – a agência oficial de previsão do tempo britânica – mergulharam nos modelos climáticos de longo alcance no verão de 2020 para ver que tipo de temperaturas eles estariam prevendo em cerca de três décadas.

“Não é uma previsão do tempo real”, diziam os gráficos do Met Office. “São exemplos de clima plausíveis com base em projeções climáticas.”

Bem, já na próxima semana, na segunda e na terça-feira, o “plausível” se torna realidade – 28 anos antes.

Simon Lee, cientista atmosférico da Universidade de Columbia em Nova York, observou a impressionante semelhança entre as perspectivas de 2050 e a previsão para o início da próxima semana no Reino Unido.

“Hoje, a previsão para terça-feira é surpreendentemente quase idêntica para grandes partes do país”, twittou Simon, acrescentando em um post em seguida que “o que está chegando dá uma visão do futuro”.

Em 30 anos, essa previsão parecerá bastante típica.

Prevê-se que as temperaturas fiquem 10 a 15 graus mais quentes do que o normal no início da próxima semana no Reino Unido. As máximas podem se aproximar de 40 graus Celsius (cerca de 104 graus Fahrenheit) pela primeira vez – uma previsão que levou os meteorologistas a emitir um alerta de calor “vermelho” pela primeira vez.

Para ser claro, isso seria um calor verdadeiramente recorde. A temperatura mais alta do país já medida foi de 38,7 graus Celsius no Jardim Botânico de Cambridge em 2019.

É também um sinal claro da rapidez com que a crise climática está alterando nosso clima.

“Esperávamos não chegar a essa situação”, disse o cientista de atribuição climática do Met Office, Nikos Christidis. “A mudança climática já influenciou a probabilidade de extremos de temperatura no Reino Unido. As chances de ver dias com 40 graus Celsius no Reino Unido podem ser até 10 vezes mais prováveis ​​no clima atual do que sob um clima natural não afetado pela influência humana.”

“A chance de ultrapassar 40 graus está “aumentando rapidamente”, disse Christidis.

Isso é mais do que alguns dias desconfortáveis. O calor extremo está entre os eventos climáticos mais mortais – nós simplesmente não tendemos a ver isso acontecendo no momento, quando insolação e morte são atribuídas a condições subjacentes, como doenças cardíacas ou respiratórias.

E relatórios recentes sugerem que não mais de 5% das casas do Reino Unido têm ar condicionado para ajudar a manter os moradores frescos.

Vimos uma situação chocantemente semelhante nos Estados Unidos no verão passado, quando o noroeste do Pacífico foi atormentado por calor extremo por dias. Centenas de pessoas morreram nessa onda de calor.

Autoridades da Colúmbia Britânica observaram que mais de 800 “mortes em excesso” ocorreram durante o calor – mortes inesperadas e longe da norma para essa época do ano.

Ao contrário de inundações ou incêndios florestais que destroem uma cidade, a sensação de urgência em torno de uma onda de calor mortal não é tão dramática, disse Kristie Ebi, pesquisadora de clima e saúde da Universidade de Washington, ressaltando que o calor é um “assassino silencioso”.

“Quando está quente lá fora, é simplesmente quente lá fora – e por isso é um assassino relativamente silencioso”, disse Ebi à CNN. “As pessoas geralmente desconhecem e não pensam nos riscos associados a essas altas temperaturas”.

Ela também disse que é importante entender que o clima não é como era há apenas alguns anos. A crise climática já está afetando nossas vidas hoje e continuará atingindo os mais vulneráveis.

“Todos esperamos ansiosamente pelo verão, pois aproveitamos as temperaturas mais quentes, mas há pessoas que correm risco com temperaturas mais altas”, disse ela.

“À medida que o clima continua a mudar ou as temperaturas mais altas ficam mais altas do que experimentamos quando éramos mais jovens, as pessoas precisam prestar mais atenção, principalmente às que estão ao seu redor.”

Rachel Ramirez, da CNN, contribuiu com esta reportagem

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.